Namoro na terceira idade

18-06-2020

Namoro na terceira idade: mitos e verdades

O namoro entre pessoas da terceira idade é cada vez mais comum. Entenda quais são os principais benefícios e desafios neste novo ciclo.

Atualmente, a população brasileira está estimada em mais de 211 milhões de pessoas, sendo que 9,83% encontram-se na faixa etária acima de 65 anos. Ou seja, por esta estimativa, são mais de 20 milhões de idosos no Brasil (Fonte: IBGE, 2020). Além disso, a expectativa é que a população idosa cresça no Brasil nas próximas décadas, como aponta a Projeção da População do IBGE. Segundo esta projeção, em 2043, um quarto da população deverá ter mais de 60 anos, enquanto a proporção de jovens até 14 anos será de apenas 16,3% (Fonte: IBGE).

Ou seja, é um grande número de pessoas que continua ativa na sociedade e mantém grande parte da rotina dos jovens, entre elas, o namoro. Por isso, no post de hoje vamos falar sobre namoro entre idosos.

 

Namoro na terceira idade: estamos namorando mais?

Se antes a terceira idade era associada a tristeza e ao isolamento, hoje o envelhecimento ativo está cada vez mais presente. Percebemos que nós, idosos, mantemo-nos ativos no mercado de trabalho por muitos anos, além de realizar viagens, passeios e várias outras atividades.

Porém, quando o assunto é romance entre idosos, percebemos que há ainda muito preconceito e desinformação. O relacionamento afetivo pode trazer bem-estar, assim como outros benefícios e precisa ser encarado com total naturalidade, seja pelos próprios idosos, assim como a família e amigos.

Seja devido a viuvez, seja por separação ou outros motivos que levaram o idoso a estar fora de um relacionamento, voltar a namorar, mesmo na terceira idade, traz muitos benefícios.

 

Principais benefícios do namoro na terceira idade

Separamos aqui os principais benefícios de voltar a namorar na terceira idade.

 

Combate à depressão

A depressão é uma condição que tem se tornado comum entre os idosos. Ao voltar a se relacionar amorosamente, voltamos a experimentar diversas sensações, além de sentir muito ânimo. Com isso, as chances de desenvolver a depressão diminuem.

 

Melhora da autoestima

Quando nos sentimos amados e desejados por outra pessoa, temos uma melhora na autoestima, assim como criamos uma rotina maior de autocuidado com a vaidade.

 

Aumento da prática de atividades físicas

Com a melhora da autoestima, sentimo-nos mais animados para cuidar também do corpo e manter uma rotina de atividades físicas.

 

Aumento da socialização

No geral, com o avançar da idade e, até mesmo, pela limitação física, vamos nos isolando mais. A tendência é que, ao iniciar um namoro, a gente retorne a uma rotina mais intensa de convívio e passeios, estimulando um aumento da socialização.

 

Sexo na terceira idade

Com o namoro, é provável que a vida sexual também seja retomada. E não há nenhum problema nisso. No geral, o sexo entre idosos acaba sendo um tabu na nossa sociedade. Retomar uma vida sexual ativa, mesmo com o uso de medicamentos e com acompanhamento médico, gera muito bem-estar para o casal.

Segundo um levantamento realizado pelo Datafolha (a apresentado na Folha de São Paulo) com 2.732 pessoas acima dos 16 anos e mostrou que o declínio da vida sexual é gradativo, com as seguintes faixas:

  • Entre 55 a 59 anos: 75% afirmam que costumam ter relação sexual;
  • Entre 60 a 70 anos: 58% afirmam que costumam ter relação sexual;
  • Entre 71 a 80 anos: 43% afirmam que costumam ter relação sexual;
  • Acima de 81 anos: 31% afirmam que costumam ter relação sexual.

 

Sexo e proteção na terceira idade

Com o retorno de uma vida sexual ativa, os idosos precisam lembrar de tomar precauções com as Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), como a sífilis e o HIV.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, o número de casos de HIV entre os idosos aumentou 81% entre 2006 e 2017, sendo que as taxas aumentaram tanto para homens quanto para mulheres. O Ministério da Saúde reforça que os cuidados de prevenção necessários para a pessoa idosa são idênticos para outras faixas etárias, ou seja, o uso de preservativo.

Muitas vezes o casal de idosos não utiliza o preservativo por preconceito ou por desinformação: há ainda a crença entre as pessoas da nossa idade que o preservativo serve apenas para a prevenção da gravidez.

 

Casamento entre idosos: como fica o patrimônio?

Quando estamos em um relacionamento amoroso e pretendemos que ele se torna mais “sério” (com a formalização do casamento), muitas vezes não queremos discutir alguns assuntos, como a questão do patrimônio, seja com nosso(a) parceiro(a) ou com nossa família.

O primeiro ponto para entender é que a família precisa respeitar a autonomia do idoso. Além disso, outro ponto a destacar é que, apesar de ser considerado idoso no Brasil a pessoa acima de 60 anos, a jurisdição brasileira tem regras que objetivam a proteção do patrimônio das pessoas acima dos 70 anos.

O Código Civil (artigo 1.641) estabelece a obrigatoriedade de, no casamento após os 70 anos, o regime adotado será, obrigatoriamente, o de regime de separação de bens. Porém, nada impede que o idoso registre um testamento e disponha o correspondente a 50% do seu patrimônio.

Independente da questão financeira e patrimonial, namorar na terceira idade é muito bom. Não se prenda aos antigos tabus: abra seu coração e… boa sorte!

Está gostando de se informar cada vez mais? Separamos aqui dois outros posts que, certamente, vão te interessar: “Luto e terceira idade: principais desafios” e “Sexo e terceira idade: mitos e verdades”.

E para não perder nenhum conteúdo, acesse sempre Oversixty e acompanhe todas as novidades relacionadas à terceira idade.