Senilidade e senescência

04-12-2020

Senilidade e senescência: entenda as principais diferenças

Entenda o que é senescência e a senilidade, como afetam os idosos e veja dicas práticas para manter a qualidade de vida, mesmo na terceira idade

 

 

Temos conversado nos últimos posts sobre os principais desafios da terceira idade, assim como a questão do idoso no Brasil: números, empregabilidade, saúde, acessibilidade, direitos, dentre outros temas tão relevantes para nós.

Porém, um assunto que sempre me despertou curiosidade foi o conceito de senilidade, suas características e suas diferenças em relação a um outro conceito: a senescência.

E para entender todo esse universo e como ele afeta a qualidade de vida de nós, idosos, o nosso post de hoje é exatamente sobre isso: senilidade e senescência.

Gostou?

Vamos juntos, então!

 

 

 

Entendendo o que é o envelhecimento

 

Antes de explicar o que é senilidade e as diferenças em relação à senescência, vamos entender o que é, afinal, o envelhecimento.

De acordo com o Manual MSD, o envelhecimento dos indivíduos pode ser entendido em relação a três perspectivas:

 

  • Idade cronológica: a idade cronológica relaciona-se com a passagem do tempo. Ou seja, é a idade da pessoa em anos. A idade cronológica tem significado limitado em termos de saúde. Porém, é necessário entender que a probabilidade de desenvolver problemas de saúde aumenta à medida que as pessoas envelhecem;
    Idade biológica: a idade biológica refere-se às alterações no corpo que normalmente ocorrem com a idade. Aqui, essas mudanças afetam algumas pessoas antes de outras;
  • Idade psicológica: a idade psicológica é baseada em como a pessoa se sente e age. Temos como exemplo uma pessoa de 80 anos de idade que trabalha, faz planos e participa de muitas atividades pode ser considerada psicologicamente jovem.

 

 

 

Senilidade e senescência: entendendo os conceitos

 

Agora que você já entendeu que há formas diferentes de olhar para o envelhecimento, vamos entender mais sobre os conceitos de senilidade e senescência.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), a senilidade está relacionada com as condições que acometem o indivíduo no decorrer da vida baseadas em mecanismos fisiopatológicos.

Ou seja, são as doenças que comprometem a qualidade de vida das pessoas, mas não são comuns a todas elas em uma mesma faixa etária. Como exemplos, temos:

 

  • perda hormonal no homem que impede a fertilidade;
  • osteoartrose;
  • depressão;
  • diabetes;
  • insuficiência renal.

 

Todas essas circunstâncias e problemas não são normais da idade e nem comuns a todos os idosos. Devido a isso são caracterizadas como um quadro de senilidade.

 

 

Diferenças entre senilidade e senescência

 

Já a senescência abrande todas as alterações que acometem o organismo humano no decorrer do tempo não relacionadas com doenças.

Como assim?

A senescência são as alterações naturais decorrentes do processo fisiológico do próprio envelhecimento. Alguns exemplos:

 

  • Aparecimento de cabelos brancos;
  • Queda de cabelo;
  • Perda da flexibilidade da pele;
  • Redução da estatura.

 

Ou seja, são variáveis que não provocam a diminuição dos anos de vidas.

Assim, o envelhecimento pode ser compreendido como um processo natural, de diminuição progressiva da reserva funcional dos indivíduos o que, em condições normais, não costuma provocar qualquer problema, conforme explica o Ministério da Saúde.

Já a senilidade, como vimos anteriormente, seria um complemento da senescência.

Assim, a senilidade relaciona-se com os mecanismos fisiopatológicos, ou seja, as alterações decorrentes de doenças crônicas, de interferências ambientais e de medicamentos.

Todos esses contextos podem comprometer a funcionalidade e a qualidade de vida do indivíduo.

Quer um exemplo prático?

Os famosos lapsos de memórias: eles são frequentes com o avanço da idade e podem ser enquadrados como parte da senescência.

Porém, se esses lapsos de memórias são intensos, frequentes, causando prejuízo funcional e podem ser associados a alguma doença, configuram-se um quadro de senilidade.

 

 

 

Senilidade e senescência: alguns desafios

 

O Ministério da Saúde pontua dois grandes desafios quando o assunto é a saúde do idoso e a compreensão da senescência e da senilidade.

O primeiro é considerar que todas as alterações que ocorrem com o idoso sejam decorrentes de seu envelhecimento natural, ou seja, da senescência. Isso pode impedir a detecção precoce e o tratamento de certas doenças.

Já o segundo grande desafio é tratar o envelhecimento natural como doença e, desta forma, realizando um grande número de exames e tratamentos desnecessários.

Ou seja, desconsiderando as características da senescência.

Assim, é necessário encontrar o equilíbrio para que nós, idosos, consigamos manter a máxima qualidade de vida possível, além de independência, apesar das progressivas limitações que naturalmente vão ocorrendo com o avançar da idade (a senescência).

E uma forma de ampliar nossa qualidade de vida é através da:

 

Nutrição adequada ao longo da vida;

– Atividade física regular;

– Relacionamentos familiares e sociais;

Cuidados com o equilíbrio e saúde mentais;

– Controle de doenças crônicas.

 

Ficou claro as diferenças entre senilidade e senescência?

Que tal continuar se informando e aprendendo cada vez mais sobre o nosso universo? Se você quer informações relevantes e direcionadas, separei aqui 4 (quatro) outros posts que, certamente, vão te interessar. Quer ver?

 

Idosos no Brasil: um retrato geral;

Terceira idade: Manual do novo idoso – tudo o que você precisa saber;

Longevidade: como envelhecer com qualidade de vida;

Pilates para idosos: como começar a praticar?

 

E para não perder nenhum conteúdo, acesse sempre Oversixty e acompanhe todas as novidades relacionadas ao nosso mundo dos idosos.