Terceira Idade

09-10-2020

Terceira idade – Manual do novo idoso: tudo o que você precisa saber

Tudo o que você precisa saber sobre a terceira idade. Cuidados, mercado de trabalho, dicas de exercício e de qualidade de vida para quem tem mais de 60 anos.

 

 

Quando nos aproximamos dos 60, a palavra idoso pode parecer um choque.

Mas, com o passar do tempo, aprendemos a aproveitar o que esta fase da vida tem de melhor.

E não estamos nos referindo às filas especiais e muito menos ao banco exclusivo do ônibus.

Falamos sobre ter sabedoria, sobre finalmente entender as complexas prioridades da vida, e conseguir aproveitar o presente com muito mais leveza.

 

No post de hoje criamos uma espécie de Manual do Novo Idoso.

Reunimos um pouquinho de tudo o que você encontra em nosso blog, mesclando com opiniões de profissionais especialistas na qualidade de vida após os 60 anos.

Esperamos conseguir tirar todas as suas dúvidas e te ajudar a viver o melhor da terceira idade.

Vamos lá?

 

envelhecer é pura poesia

 

 

Primeiro, o que é Terceira Idade?

 

A resposta para esta pergunta é comum a todos.

Segundo a organização mundial da saúde, uma pessoa já é considerada idosa a partir dos 60 anos.

 

Mas você já parou para pensar na quantidade de gente que já atingiu este estágio da vida?

 

Aqui temos uns números bem interessantes:

 

– Existe um dado estimando que até 2039 teremos mais idosos do que
crianças.

– Porém, no Rio Grande do Sul, isso já é realidade desde 2019!

– Ao mesmo tempo, no Brasil, em 2017 o número de idosos superou os 30 milhões.

– Já em em 2018, o número de pessoas com mais de 65 anos (ou seja, desconsiderando aqueles entre 60 e 64 anos), superava 21,872 milhões – o equivalente a 10,5% da população.

 

Ou seja, em um curto espaço de tempo, serão necessárias uma série de mudanças e precauções para suportar esta nova realidade.

Mas o nosso blog não é destinado a assuntos econômicos. E, sim, à qualidade de vida.

O que nos faz pensar o seguinte:

 

 

Idoso, sim! Velho, nunca!

 

Observando a verdadeira legião de idosos que vão encorpando cada vez mais o quadro demográfico do Brasil e do mundo, é fácil identificar que, embora todos tenham alcançado a terceira idade, existe uma diferença gritante no que diz respeito ao condicionamento físico e mental de cada um.

 

Ao passo que alguns ultrapassam os 60 (e muitos anos mais) correndo maratona, outros já estão adotando um estilo de vida mais sedentário.

Indo direto ao ponto: existem “idosos avançados” com corpo, mente e alma muito melhor conservados do que pessoas com 50 anos, por exemplo.

 

É aí que surge uma pergunta um pouco mais complexa: qual a diferença entre ser idoso e ser velho?

Esta é uma questão filosófica bem interessante.

Ser idoso, como bem já vimos, significa ter mais idade (ultrapassar os 60). Ao passo que, ser velho, muitas vezes é uma escolha.

Recomendamos este artigo (clique aqui para ler) vencedor do 1º Concurso Literário para a Terceira Idade, promovido pela UDESC-Universidade do Estado de Santa Catarina, que discursa sobre o assunto.

No próximo tópico falaremos sobre “Envelhecimento Ativo”. Conceito que contribui para que todos nós possamos nos manter “jovens” por muito mais tempo.

 

frase frances mcdormand ao envelhecer você ganha o direito de ser leal a si mesma

 

 

 

Envelhecimento Ativo

 

Quando falamos em envelhecimento ativo, nossa cabeça quase que automaticamente associa o termo às atividades físicas.

Embora este seja um importante pilar, o conceito é mais amplo: trata-se da busca para garantir que o envelhecimento seja uma experiência positiva.

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, é o processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, que tem como objetivo melhorar a qualidade de vida à medida que as pessoas ficam mais velhas.

 

Neste sentido, o envelhecimento ativo engloba, sim, a mobilidade física, mas também o trabalho, participar de questões sociais, econômicas, culturais, espirituais e civis.

Ou seja, significa estar com corpo e mente ativos por mais tempo, e TER ACESSO a alternativas para fazer aquilo que gosta.

 

Assim sendo, como você já deve estar imaginando, o envelhecimento ativo deve ser uma preocupação não só do idoso, mas também da sociedade como um todo.

 

Entretanto, no que diz respeito ao indivíduo, entre as práticas que podemos buscar para garantir nosso próprio envelhecimento ativo, estão:

 

  • Práticas de Exercícios Físicos
  • Exercitar a Mente
  • Valorizar o Convívio Social
  • Alimentação Saudável
  • Acompanhamento médico
  • Sexo!
  • E, por fim, o trabalho

 

Neste artigo, falamos tudo o que você precisa saber sobre o tema.

 

 

Opinião da Profissional: como ter um envelhecimento saudável

 

Thamires Gomes é empreendedora, formada em Enfermagem, sócia-proprietária do Jardim da Vida. Um Centro Dia para Idosos.

Para quem não sabe, este tipo de estabelecimento funciona como se fosse uma creche, mas focado em idosos ativos. A pessoa passa o dia no local, realizando uma série de atividades, e à tardinha volta para casa.

Em sua experiência, ela acompanha de perto a rotina de idosos com uma idade mais avançada, mas plenamente ativos.

O que ela percebe, é que “o envelhecimento é um processo que pode ser positivo, basta o idoso se permitir vivenciar este processo, e os familiares aceitarem que esta é uma situação natural da vida.”

Tamires complementa:

“O envelhecimento saudável pode acontecer a partir do momento em que o idoso consegue perceber que esta pode ser a melhor fase da sua vida. É um momento em que, normalmente, se tem mais tempo, e a questão financeira está melhor controlada. O idosos pode aproveitar o envelhecimento com qualidade de vida.”

 

Para quem possui familiares com idade mais avançada, Thamires apresenta algumas dicas bem interessantes:

 

“No Jardim, a gente percebe, que o envelhecimento saudável acontece plenamente quando o idoso consegue aproveitar o seu dia, ter o seu dia preenchido com atividades de cognição, com atividades físicas, fazendo amizades, tendo compromissos diários, ter que sair de casa, se arrumar, escovar os dentes, tomar banho, botar uma roupa legal, isso eleva a autoestima deles, e eles consequentemente tem este envelhecimento saudável, que é o objetivo de todos nós quando envelhecermos.”

 

 

 

Os  principais cuidados quando atingimos a terceira idade:

 

frase keith richards envelhecer é algo facinante

 

Nosso texto inteiro é composto por “pílulas” para se ter um envelhecimento saudável e viver a terceira idade como manda a expressão “melhor idade”.

Neste sentido, desenvolvemos o texto de maneira positiva.

No lugar de alardes, criamos dicas para explorar o melhor que esta fase tem a nos oferecer.

Até porque, apenas um profissional que conhece o seu histórico é capaz de alertar efetivamente sobre que cuidados você deve tomar ou não no que diz respeito à saúde.

Por isso, aqui vamos levantar apenas quatro pontos importantes a serem observados uma vez que se alcança o status de idoso.

 

 

1 – Visite o médico com mais frequência

 

Lembra da expressão “fugir como o diabo da cruz”?

Pois é. Muita gente foge do médico da mesma maneira.

Só que quando avançamos a idade, é melhor ficar um pouco mais atento, dar o braço a torcer.

Segundo o Manual MSD, conforme envelhecemos, nosso sistema imunológico se torna menos eficaz de diferentes maneiras. Resultando em uma maior vulnerabilidade em contrair determinados cânceres e infecções.

Portanto, é bom manter uma checagem regular com o seu médico (e não ter vergonha de buscar um geriatra caso julgue necessário)

 

 

2 – Segurança do ambiente

 

Essa é outra questão delicada, mas bem importante.

 

Como é o ambiente da sua casa?

 

Para idosos com menos mobilidade, obviamente, a preocupação é indispensável. Afinal, o risco de queda já é maior, e as consequências também.

Mas, se para você este não é o caso, que tal começar a observar os possíveis obstáculos na sua casa, jardim e locais em que frequenta?

Não estamos dizendo que você deve equipar toda a sua casa com itens de proteção. O fato de estar ciente dos riscos já faz uma diferença.

Aos poucos, você pode ir tomando precauções que evitarão acidentes no futuro. Comece se preocupando com básico, como é o caso e pisos escorregadios e tapetes soltos. Caso você queira deixar a sua casa a prova de quedas, achamos bem legal este manual da Subprefeitura Lapa e a Subsede Oeste do Centro Professorado Paulista (CPP).

 

Se você também já passou dos 60 anos, com certeza já ouviu a maioria dos ditados populares. Assim sendo, a essa altura do campeonato, com certeza já aprendeu que “é melhor prevenir do que remediar”, não é mesmo?

 

 

3 – Sarcopenia

 

A Sarcopenia é algo presente na vida do idoso. Porém, é possível postergá-la.

Trata-se da perda generalizada e progressiva da força e massa muscular esquelética. Ocorre com o envelhecimento, e, por vezes, mesmo em indivíduos saudáveis.

Para explicar o assunto, assim como os cuidados e maneiras de atrasar seus efeitos, convidamos o Dr. Julio Cesar Ribeiro, Especialista em Medicina do Exercício Físico (HCFMB UNESP Botucatu) e Mestre em Gerontologia (UFSCar)

 

 

Opinião do Especialista.

Por Dr. Julio Cesar Ribeiro.

 

“Com aumento da população idosa neste ritmo acelerado em todo mundo, torna-se necessário o maior entendimento dos fenômenos associados ao processo do envelhecimento.

Portanto, descrever a frequência da distribuição, seu quadro clínico, etiopatogenia e tratamento é fundamental para promover assistência à saúde direcionada ao idoso.

Os acidentes, como por exemplo as quedas, são episódios que podem ocorrer em todas as fases da vida, mas tornam-se mais comuns durante o envelhecimento. A causa das quedas em idosos engloba vários fatores. Desde situações ambientais de risco a doenças, uso de medicamentos, estilo de vida, déficits dos sistemas fisiológicos, sedentarismo, dentre outros. Embora as causas das quedas entre os idosos, tenha origem multifatorial, alguns se fazem relevantes, uma vez que contribuem diretamente para maior incidência destes episódios.

O declínio dos sistemas fisiológicos é uma consequência do envelhecimento, a perda gradativa de força e massa muscular comum a esta fase é definida como sarcopenia. Autores associam a sarcopenia ao grande número de acidentes de quedas com idosos.”

gráfico sarcopenia

 

 

Como evitar a sarcopênia

 

Em relação à prevenção da sarcopênia, Julio Cesar destaca que uma das melhores maneiras de a se prevenir, ou ao menos atenuar o processo de Sarcopenia, é com a prática regular de atividades físicas.

Dicas do Dr. Julio Cesar Ribeiro:

  • Particar atividades físicas desde sempre e não apenas quando a idade é maior.
  • Uma boa dica é a musculação, pois trata-se de um exercício resistido. Ou seja: treinamento contra resistência, geralmente, realizado com a utilização de pesos e que traz vários benefícios.
  • Um estes benefícios é o aumento da massa muscular. Outro é a diminuição de gordura corporal. Tem mais: desenvolvimento da força, melhora da coordenação motora etc.
  • Tudo isso favorece a melhor qualidade de vida, porque facilita as atividades do cotidiano.

 

Segundo ele, outro ponto importante é estar atento a uma alimentação saudável que contribua para o ganho e a manutenção da massa muscular.

Portanto, como ele mesmo destaca, é preciso buscar orientação com um nutricionista.

Como conclusão, Dr. Julio Cesar afirma que “a perda muscular com o passar dos anos é inevitável. Mas, colocando em sua rotina diária a prática de atividade física e uma alimentação adequada, você pode contribuir para que o processo seja mais lento e menos prejudicial.”

 

 

4 – Presbifonia: o envelhecimento da voz

 

O envelhecimento da voz é algo inevitável em nossas vidas, estando relacionado ao envelhecimento natural do próprio corpo.

O que não quer dizer que você não pode tomar providências para evitá-la ou até combatê-la. Segundo a SBGG, as alterações na voz e em nossa capacidade de se comunicar podem interferir na qualidade de vida e até na rotina diária.

Neste sentido, cuidados como hidratação, prática de atividades físicas e alimentação podem ser seus aliados.

Para entender mais sobre o tema e como combater a presbifonia, recomendamos nosso artigo:

Presbifonia: o Envelhecimento da Voz e como mantê-la jovem mais tempo

 

 

Exercícios e atividades físicas na terceira idade

 

Ao longo de toda a nossa vida, a prática de exercícios e atividades físicas é fundamental para nossa saúde, bem-estar físico e mental.

Quando alcançamos a terceira idade, a afirmação não muda em uma vírgula.

Porém, o que existe, sim, é uma maior necessidade de cuidados em relação ao tipo de exercício que será praticado, como será sua execução, carga e intensidade.

Neste artigo, fizemos uma lista bem completa de atividades físicas indicadas para idosos, assim como cuidados e precauções.

Entre elas podemos listar:

 

  • Corrida
  • Bicicleta
  • Musculação
  • Tênis
  • Yoga
  • Pilates
  • Dança
  • Funcional
  • Alongamentos
  • Hidroginástica
  • Caminhada
  • Low Pressure Fitness

 

Acesse o artigo completo para ver sobre as especificações e cuidados de cada prática.

 

Entre os benefícios, podemos destacar:

 

  • Exercícios aeróbicos ajudam a retardar os efeitos do Alzheimer;
  • 30 minutos de exercícios diários reduzem em 35% os riscos de morte precoce;
  • Disposição, em consequência da melhora do condicionamento físico
  • Autonomia;
  • Melhora no sono;
  • Evita que seu cérebro encolha (efeito que é natural a partir dos 60 anos);
  • Diminui a ansiedade;
  • Ajuda a se manter com o peso em dia;
  • Convívio social;
  • Controle da pressão arterial;
  • Faz bem para os seus ossos e suas articulações.

 

 

Dica do Profissional

Prática de exercícios X envelhecimento ativo

 

Aprofundando bem mais no tema, convidamos a Jamile Mezzomo Klanovicz, Licenciada em Educação Física (UFRGS) e Mestra em Ciências do Movimento Humano (UFRGS), para falar sobre o papel da atividade física em relação ao envelhecimento ativo.

Jamile reforça que “atividades físicas, são importantes em qualquer fase da vida, inclusive para se ter um envelhecimento ativo, pois proporcionam benefícios físicos, cognitivos e mentais. O mínimo de atividade física orientada e regular, proporciona o aumento da expectativa de vida, diminuição da morbidade, e da taxa de mortalidade, além da diminuição do uso de medicação.

Além disso, ela destaque que o exercício físico é um dos principais fatores para a promoção do envelhecimento ativo, reduzindo os riscos de doenças crônicas não transmissíveis como:

 

  • doença cardíaca
  • acidentes vasculares
  • diabetes
  • câncer
  • depressão
  • quedas
  • declínio cognitivo

 

Além de, segundo Jamile, preserva a mobilidade, a força muscular, a resistência, a força óssea, o equilíbrio e a coordenação.

 

Quais atividades físicas  podem contribuir para estes efeitos?

Jamile destaca os benefícios de alguns exercícios em relação ao envelhecimento ativo.

 

  • Natação e Hidroginástica: são atividades que não possuem impacto por serem em ambiente aquático, reduzindo o risco de lesões;
  • Ginástica e/ou Musculação, Pilates: ajudam a fortalecer o sistema muscular, além de diminuir o risco de quedas, facilitando os movimentos dos braços, pernas e tronco;
  • Caminhada: é uma atividade aeróbica, de baixo impacto, e ajuda a gerar energia para os músculos através do trabalho com a respiração;
  • Dança e Práticas expressivas: são grandes estimulantes sociais, e contribuem no trabalho com a coordenação motora;
  • Yoga: trabalha mente e corpo, fortalece o corpo através de exercícios respiratórios, além de reeducar a capacidade de concentração e memória.

 

Contudo, Jamile alerta que é importante considerar os fatores de risco relacionados ao ambiente onde irá ocorrer a atividade física ou exercício físico, as limitações de cada indivíduo e os problemas de saúde que por ventura venha a ter.

“Por fim, é necessário considerar que uma escuta atenta e afetiva – por parte de uma professor(a) de Educação Física ou outro(a) profissional –, poderá proporcionar maiores benefícios, além de favorecer e estimular, o desejo de continuidade em querer praticar uma determinada atividade física.”

 

 

 

Sexo na terceira Idade

 

Você sabia que casais idosos que praticam sexo com mais frequência são mais felizes e dão mais valor ao casamento?

Pelo menos é isso que foi constatado em um estudo divulgado durante o Encontro Anual da Sociedade Americana de Gerontologia.

Além disso, as relações sexuais após os 60 anos estão relacionadas a outros benefícios como:

 

  • Avanços cognitivos
  • Aparência rejuvenescida
  • Possibilidade de evitar o câncer de próstata

 

Você encontra esta e outras informações em nosso artigo completo sobre sexo na terceira idade.

Entre os assuntos abordados, apontamos alguns mitos (como a suposta diminuição da libido), verdades (como a mudança no tempo da ereção) e algumas dicas para melhorar a vida sexual de casais idosos.

Ficou curioso? Recomendamos muito a leitura:

 

Sexo na terceira idade: dicas, mitos e verdades

 

 

 

Mercado de trabalho para terceira idade

 

Lembra do que falamos no início do texto, em relação ao conceito de envelhecimento ativo?

Pois então. Trabalhar é uma forma de se manter ativo por mais tempo.

O que não quer dizer que esta seja uma questão simples. Muitas empresas estão despreparadas para contratar idosos, a oferta de trabalho é muito maior para jovens, sem falar nas barreiras tecnológicas.

Mesmo assim, o número de idosos no mercado de trabalho é cada vez maior. O que se justifica pelo simples aumento desta classe, mas principalmente pela redução da parcela de idosos buscando se aposentar.

 

Neste sentido, o empreendedorismo e a busca de vagas específicas para idosos se apresentam como fortes alternativas.

 

Separamos aqui três artigos do Oversixty que podem te elucidar em relação aos desafios e oportunidades do mercado na terceira idade:

 

Os desafios do mercado de trabalho na terceira idade

Dicas de como ganhar dinheiro após a aposentadoria

Empreendedorismo na terceira idade

 

 

 

Como aproveitar a terceira idade

 

Antes de nos aprofundarmos no assunto, é importante divagar sobre uma questão bem mais geral: como aproveitar a vida?

 

Independente de você ser criança, jovem, adulto, idoso, não existe uma fórmula para aproveitar a vida.

Cada um de nós tem os seus gostos, suas preferências.

O que não nos impede de tentar encontrar alguns denominadores comuns nas várias formas de ser feliz.

 

O primeiro deles, está na própria palavra: vivendo!

 

Neste sentido, uma frase bem famosa vem a cabeça.“Recordar é viver”.

Temos aí uma grande verdade. Porém, o caminho inverso não é absoluto. Afinal, viver não é recordar. E pensar no futuro também não.

Viver é estar aqui agora, aproveitando cada minuto. Lembranças, metas e planejamentos fazem parte da vida, mas não devem ser sua única estratégia de ser feliz. Isso vale para qualquer idade.

 

Falamos isso pois alguns idosos podem se apegar nas memórias passadas, naquilo que eram capazes de fazer e agora já não são mais.

Ao mesmo tempo, outros se encontram com a preocupação excessiva em relação ao futuro financeiro dos filhos e dos netos.

Ambas as situações se mostram um convite para problemas como ansiedade e depressão. O que pode ser bem perigoso na terceira idade.

 

Assim sendo, se você procura meios de tentar aproveitar a fase idosa. Comece por buscar o presente.

 

Além disso, separamos algumas dicas para você aproveitar o máximo a sua idade, seja ela 60, 70, 80, 90, ou, tomara um dia, até mais de 100!

 

 

Convívio Social

 

Se a gente aproveita a vida vivendo, estar acompanhado é parte constante disso.

Não é segredo para ninguém que o convívio social ganha nova relevância na terceira idade. Está associado ao combate à questões como depressão e demência.

Também é unanimidade que estar próximo dos amigos e das pessoas que a gente mais ama é fundamental.

Mas as vezes esquecemos do valor das novas amizades.

 

Rodrigo Capovilla é sócio de Tamires no Jardim da Vida. Em sua rotina, ele destaca justamente o impacto das novas amizades na vida dos clientes.

Em alguns casos, o idoso, embora autosuficiente, se sente sozinho, em um rotina monótona, sempre em frente à televisão. Capovilla afirma: “É visível a mudança que ocorre a partir do momento em que desfrutam da oportunidade de fazer novas amizades, conhecendo pessoas, criando laços, mesmo após os 80 anos”.

 

Achamos muito legal este tipo de relato.

Muito provavelmente, alguém com 60 anos recém feitos, nem pense na ideia de frequentar um centro dia. Mesmo assim, fica a lição do impacto das novas amizades em nossas vidas.

Se as encontraremos na academia, em um bar, na balada, ou mesmo em um centro dia, cabe a você decidir o que é melhor. Mas é importante permitir que isso aconteça.

 

 

O valor do passado

 

Rodrigo ainda destacou outro ponto que remete diretamente a um assunto que abordamos neste artigo: o passado.

Segundo ele, um dos momentos mais marcantes em sua jornada em frente ao Jardim da Vida, é presenciar as conversas entre os idosos. “Eles conversam, resgatam memórias do passado, algo que não fariam se estivessem sozinhos em casa.”

O passado tem grande valor em nossas vidas. Embora não seja saudável nos prendermos em remorsos, mágoas, arrependimentos, preocupações, a função de recordar lembranças tem grande impacto.

Além de exercitar a memória, pode render momentos agradáveis e de aprendizado mútuo.

Suas experiências passadas podem ser extremamente valorosas para alguém.

Compartilhe!

 

 

Continue aprendendo

 

A figura do idoso é sempre associada a sabedoria.

E faz bastante sentido, não é mesmo?

Mesmo assim, nunca chega o momento em que paramos de aprender.

Na verdade, quando alcançamos uma idade avançada, as vezes a disposição para adquirir conhecimento é ainda maior.

A boa notícia é que nunca foi tão fácil ter acesso ao conhecimento.

Novos cursos online surgem a cada dia. O que se mostra uma boa oportunidade para aprender algo novo, até inusitado, e ao mesmo tempo diminuir qualquer barreira que você tenha em relação à tecnologia.

Neste artigo listamos uma série de cursos online para idosos. São diversas abordagens, tem curso focado em tecnologia, em criatividade e até em jardinagem.

 

 

Confie nos seus filhos

 

Este assunto é um pouco delicado.

Cada família tem sua realidade. E não queremos meter a colher onde não fomos chamados.

Mesmo assim, como já falamos anteriormente, a vida financeira dos filhos e netos é uma das grandes preocupações de quem se aproxima ou ultrapassa os 60 anos.

As vezes é importante conseguir abstrair um pouco do assunto. Dar liberdade (mesmo que forçada) para que eles consigam se desenvolver sozinhos.

Não vamos nos aprofundar no assunto, pois isso realmente muda muito de caso para caso. Apenas deixamos uma questão: você não gostaria que seus pais se preocupassem menos com você e aproveitassem mais a vida? Talvez os seus filhos estejam sentindo a mesma coisa.

 

Mesmo assim, aqui temos uma dica de leitura que pode te interessar:

 

Poupança para os netos: um presente para o futuro

 

 

Vá viajar!

 

Este é um tema que jamais poderia faltar nesta lista.

Faça as malas! Vá viajar!

 

Ok, sabemos que as coisas não são tão simples assim. Tanto em relação à dinheiro, quanto aos cuidados especiais para idades mais avançadas.

 

Mas, no que diz respeito a este segundo tópico, Thaisa Yumi Kataoka, responsável pelo projeto Idoso Mais Feliz, traz algumas dicas bem interessantes.

Segundo ela, “há quem defenda que viajar seja um dos segredos para a longevidade: aguça a curiosidade, expande a socialização e aumenta a autoestima”. Foi o que serviu de motivação para iniciar um curso de acompanhante de idosos em viagens, setor este em que ela pretende lançar um novo projeto em breve.

 

 

10 dicas para viajar com mais tranquilidade na maturidade

 

Confira aqui, as 10 dicas que a Thaisa nos enviou para ajudar idosos a aproveitarem suas viagens com muito mais conforto.

 

1 – Visite o seu médico e faça um checkup para evitar imprevistos durante a viagem;

2 – Se possível, viaje fora de temporada. Muitos viajantes maduros já são aposentados, facilitando essa dinâmica. Além de preços menores para passagem e hospedagem, os pontos turísticos estão menos cheios, evitando que o idoso precise aguardar muito tempo para ser atendido;

3 – Caso vá de avião, avise a empresa aérea que o passageiro é idoso (principalmente se apresentar algum problema de mobilidade);

4 – Verifique a possibilidade de adquirir passagens gratuitas de ônibus, barco ou trem (exclusivo para idosos de baixa renda) para viagens interestaduais. É lei e consta no artigo 40 do Estatuto do Idoso, Lei nº 10.741/2003 que a empresa deve reservar dois assentos gratuitos para esse público.

5 – Escolha um destino com uma atividade ou atrativo que o idoso goste. Exemplo: Viajar para um curso de yoga;

6 – Faça uma pesquisa de eventos turísticos, esportivos, gastronômicos e culturais em que os idosos tenham desconto no ingresso;

7 – Faça um seguro viagem, principalmente se for uma viagem internacional. Preste atenção na idade da cobertura;

5 – Evite hotéis sem elevadores. Durante a viagem geralmente os turistas andam mais. É um desgaste desnecessário;

9 – Monte roteiros mais leves (mas não menos interessantes);

10 – Mantenha uma ingestão regular de líquidos (cuidado com a desidratação);

 

 

 

Conclusão: Aprendendo a lidar com o envelhecimento

 

Ao longo deste texto reunimos diversas dicas relacionadas à terceira idade.

É quase impossível ter uma conclusão absoluta sobre tudo o que envolve o tema.

Mas, embora já fora de moda (será mesmo?), aquela música do Titãs retrata bem o que tentamos dizer neste artigo: “é preciso saber viver”.

Usar suas experiências ao longo da vida inteira, aproveitar mais o presente, o tempo disponível, aceitar que alguns cuidados especiais podem ser necessários e, principalmente, que o melhor momento de viver é agora.

Bom. O parágrafo anterior foi uma bomba e clichês. Mas eles recebem este rótulo pois justamente se repetiram e se provaram reais ao longo dos tempos.

 

Para finalizar o texto, resgatamos um assunto abordado por Dani di Bernardi, Fisioterapeuta e professora de Educação Física, especializada na saúde do idoso.

 

Qual a diferença entre longevidade e envelhecimento?

 

“Longevidade e envelhecimento são a mesma coisa?

Não!! São conceitos que se relacionam mas não são a mesma coisa!!

Longevidade é a característica de quem atingiu uma idade avançada, viveu muito.

Já envelhecimento é o ato de ficar velho, o processo de envelhecer.

E os dois conceitos se entrelaçam quando entendemos que envelhecer é o “caminho” para se tornar longevo!

E para alcançarmos uma idade avançada com mais saúde precisamos envelhecer com hábitos de vida saudáveis, como se alimentar de forma equilibrada, fazer exercícios físicos regulares e encarar a vida com mais alegria e otimismo!!”

 

Ela ainda aborda este assunto com mais profundidade em uma live no Instagram da Gisele Luz, com o tema “Pilares da Longevidade Saudável”

 

 

Ufa!

Foi bastante informação, não é?

Esperamos ter conseguido te ajudar de alguma forma.

Mas conta pra gente, o que achou do nosso artigo?

Quer compartilhar suas experiências como idoso neste texto ou em nosso blog?

Entre em contato conosco no Instagram e vamos adorar incluir sua contribuição!

Acesse o OverSixty encontre os melhores conteúdos para viver o melhor da terceira idade.